Ações do Programa de Enfrentamento à Desinformação com Foco nas Eleições 2020 alcançaram milhões de brasileiros


Lançado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 30 de agosto de 2019 com o objetivo de combater os efeitos negativos provocados pela desinformação à imagem e à credibilidade da Justiça Eleitoral, o Programa de Enfrentamento à Desinformação com Foco nas Eleições 2020 obteve marcas expressivas ao longo do último ciclo eleitoral. Esses dados, disponíveis no Relatório de Ações e Resultados do Programa, foram debatidos durante o II Seminário Internacional Desinformação e Eleições, promovido pela Corte Eleitoral no dia 26 de outubro.

O Programa foi estruturado em seis eixos, todos com ações de curto, médio e longo prazos: organização interna, alfabetização midiática e informacional, contenção da desinformação, identificação e checagem de desinformação, aperfeiçoamento do ordenamento jurídico e aperfeiçoamento de recursos tecnológicos. Por conta da abordagem multissetorial e sistêmica da desinformação, tornou-se o maior e mais inovador projeto de combate às fake news criado por um órgão eleitoral.

Ao todo, o Programa contou com a importante colaboração de 66 entidades e organizações que se dispuseram a executar ações e medidas concretas para minimizar os impactos da desinformação nas Eleições 2020, dentro da respectiva área de atuação. Entre as parcerias realizadas, destacam-se os acordos com instituições de checagem, plataformas de mídias sociais, empresas de telefonia, instituições de pesquisa, organizações da sociedade civil, órgãos públicos e associações de mídia.

A secretária-geral da Presidência do TSE, Aline Osorio, louvou o trabalho realizado em parceria com diversas entidades. “Celebramos 29 acordos específicos com vários desses parceiros, com a previsão de ações concretas que cada um se comprometeu a realizar, de forma não onerosa, em conjunto conosco. É preciso dizer que, sem eles, o trabalho desenvolvido não seria possível”, reforçou.

Ações e números

Entre as iniciativas criadas, estão a rede formada por nove instituições de checagem para a verificação de notícias falsas relacionadas ao processo eleitoral; a página Fato ou Boato, no Portal da Justiça Eleitoral, para centralizar as verificações de informações falsas publicadas durante as eleições; e o chatbot no WhatsApp, que permitiu aos eleitores acessar as notícias checadas e tirar dúvidas sobre o pleito.

Somente no grupo da coalizão para checagem, mais de 100 pessoas, entre jornalistas e servidores e colaboradores da Justiça Eleitoral, verificaram 274 matérias com conteúdos publicados pelo TSE e por instituições de checagem parceiras. Já no WhatsApp, pouco mais de um milhão de brasileiros trocou 18,7 milhões de mensagens ligadas às eleições.

A página Fato ou Boato foi visualizada 13 milhões de vezes, entre 27 de outubro e 31 de dezembro de 2020, com 400 milhões de impressões do banner no YouTube. E, por meio de seus aplicativos, a Justiça Eleitoral enviou 300 milhões de notificações informativas aos mais de 18 milhões de usuários cadastrados.

Já a campanha de rádio e televisãoSe for fake news, não transmita”alcançou cerca de 130 milhões de brasileiros. O programa Minuto da Checagem, composto por oito episódios veiculados na televisão e no YouTube, teve 4,5 milhões de visualizações apenas na plataforma digital.

JM/LC, DM

Fonte: TSE

 

Deixe o seu Comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais