15 de julho de 2024 04:43

Cotidiano em destaque

ARTIGO | Se não pudermos confiar na família, quem resta para nos dar esperança?

Publicados

sobre

ARTIGO | Se não pudermos confiar na família, quem resta para nos dar esperança?
Foto: Divulgação
Energisa

Artigo – O que levaria uma mãe ou um pai a ir contra os instintos naturais de proteção de sua prole, que até mesmo os animais mais selvagens possuem, e abusar de seus próprios filhos? Este questionamento surge toda vez que lemos notícias de pais que abusaram de seus filhos, como o caso que ocorreu em Paraíso, apesar de as taxas desse crime terrível ainda apontarem os parentes como os mais recorrentes abusadores, parece insano pensar sobre isso.

Segundo Sigmund Freud, as fontes de nossos impulsos e desejos estão no inconsciente. Ele explicou que o inconsciente é uma parte da mente que contém pensamentos, memórias e desejos dos quais não estamos cientes, mas que influenciam nosso comportamento. Freud também identificou três componentes principais da psique: o id, o ego e o superego.

O psicanalista propõe que os piores aspectos da natureza humana, que dão origem às pulsões e a libido humana, estão escondidos no subconsciente, muitas vezes reprimidos pela necessidade moral da convivência. Dessa forma, para os outros frequentemente buscamos parecer os mais normais possíves, mas em sua mente, quem nunca desejou fazer algo imoral ou mesmo ilegal a alguém que você tenha muita atração ou aversão.

A Bíblia, assim como diversas literaturas de comportamento moral, costuma falar bastante sobre princípios relacionados ao autocontrole. O livro Sagrado dos crustãos ensina que mais forte do que um conquistador de cidades é aquele que consegue domar os próprios impulsos, claro que, é mais fácil falar do que fazer.

O id, que representa nossos desejos instintivos e primitivos, pode entrar em conflito com o superego, que é a voz da moralidade e da consciência. Quando o ego, que mediará esses conflitos, é incapaz de manter um equilíbrio saudável, pode ocorrer um comportamento patológico.

Em resumo, enquanto o abuso de crianças por parte dos pais parece inconcebível à luz dos instintos naturais de proteção, ele é frequentemente o resultado de uma complexa interação de fatores psicológicos, sociais e biológicos que comprometem a capacidade dos pais de cuidar adequadamente de seus filhos. Que Deus proteja as crianças que estão à mercê de pessoas hostis e animalescas (piores do que muitos animais).

Wesley Santos

Professor, pesquisador e escritor

Anúncio

Mais Vistos da Semana