15 de abril de 2024 00:18

Plantão Policial

”Bati a cabeça muito forte e fiquei inconsciente”, relata mulher após ter sido agredida pelo ex-companheiro na região Norte de Palmas

Publicado em

''Bati a cabeça muito forte e fiquei inconsciente'', relata mulher após ter sido agredida pelo ex-companheiro na região Norte de Palmas
Lesões sofridas pela vítima no olho e no nariz - Foto: Divulgação

Uma mulher de 30 anos compartilhou um relato sobre um episódio de violência doméstica na região norte de Palmas. Segundo ela, por volta da meia-noite desta segunda-feira (1), foi convidada pela mãe do suspeito, de 24 anos, com quem havia terminado o relacionamento há três dias, para ir à residência deles e conversar com ele. No entanto, a situação se intensificou durante a conversa, ela conta que foi agredida e chegou a ficar inconsciente.

Ao Jornal Sou de Palmas, ela relatou ter sido agredida com dois socos, um dos quais atingiu seu olho, fazendo-a cair e bater a cabeça no chão.

”Bati a cabeça muito forte e fiquei inconsciente, acordei sendo arrastada pelas pernas na casa com ele dizendo que eu estava fingindo, minha primeira reação foi sair correndo, entrar no carro, trancar as portas e acionar a polícia”, contou ela.

Leia Também:   Trágico: Saiba quem são as quatro pessoas mortas em noite sangrenta na região Sul de Palmas

A mãe do suspeito, que tinha saído antes das agressões, chegou no junto com a polícia.

Coação e dificuldades

Ao chegar à delegacia para registrar a queixa, a vítima diz que enfrentou resistência não só da mãe do agressor, mas também de outros familiares, que a coagiram a não seguir adiante com a denúncia. Mesmo com o histórico do suspeito, que inclui passagens por tráfico de drogas e receptação, uma fiança no valor de aproximadamente R$ 2.800,00 foi paga e o ele foi liberado.

”É isso que vale bater em uma mulher no Brasil?”, questionou ela.

A mulher foi até o Instituto Médico Legal (IML) para realizar um corpo de delito e depois para o hospital para tratar das lesões sofridas, incluindo nariz trincado, olho roxo e uma forte pancada na cabeça.

Apelo e alerta

A vítima, que tem um filho de 4 meses com o suspeito, fez um apelo às mulheres para não desistirem de buscar justiça em casos de violência doméstica, mesmo diante de pressões familiares. Ela destacou a importância do apoio da polícia, que incentivou sua denúncia.

”Tínhamos um relacionamento de dois anos e ele dizia que abominava agressão às mulheres, a gente não conhece ninguém… E a família do agressor não deve apoiar esse tipo de comportamento, a culpa nunca é do agressor, as pessoas continuam agindo dessa forma porque sabem que não há consequências. Somos muito suscetíveis há vários tipos de violência, isso pode acontecer com qualquer uma, nunca sabemos, podemos ser mãe, o que for, pode acontecer”, destacou ela.

O homem deve responder por injúria, lesão corporal e violência doméstica.

Violência doméstica no Tocantins

 

Tipo de AçãoNúmero
Presos em flagrante121
Novos inquéritos instaurados412
Boletins de ocorrência registrados638
Medidas protetivas de urgência solicitadas369
Inquéritos policiais concluídos83
Leia Também:   Homens que invadiram unidade de saúde e mataram paciente que recebia atendimento são presos em Colinas

 

Esses dados representam o resultado da Operação Átria no Tocantins, que começou no dia 1° de março e foi encerrada na última sexta-feira, 29, com o objetivo de combater a violência contra a mulher em todos os 139 municípios do estado.

 

Tipo de AçãoNúmero
Suspeitos de agressão presos9
Inquéritos policiais concluídos205
Medidas protetivas solicitadas ao Judiciário156

 

Esses dados representam o resultado da Operação Shalom, conduzida pela Polícia Civil através da 2ª Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM – Palmas Sul), que teve início em janeiro e foi encerrada neste domingo, 31, com o objetivo de combater a violência contra a mulher.

Deixe o seu Comentário

Anúncio


Mais Vistos da Semana