28 de maio de 2024 23:36

Cotidiano em destaque

Atenção, pescadores! Período da piracema segue até 28 de fevereiro no Tocantins

Publicado em

Atenção, pescadores! Período da piracema segue até 28 de fevereiro no Tocantins

Para assegurar a reprodução dos peixes no período da piracema, que começou em 1º de novembro e segue até 28 de fevereiro, o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), por meio de suas equipes de fiscalização, desenvolve a Operação Piracema 2023/2024. As ações de fiscalização seguem continuamente em todas regiões do Tocantins e contam com parceria do Batalhão Ambiental da Polícia Militar (BPMA), Grupamento Aéreo da Polícia Militar do Tocantins (GRAER), Batalhão da Polícia Militar Rodoviário e Divisas (BPMRED), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Marinha do Brasil (Capitania Fluvial Araguaia-Tocantins) e Instituto Brasileiro de Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Cândido José dos Santos Neto, gerente de Fiscalização do órgão ambiental, destaca que a operação visa combater a pesca irregular e proteger a fauna aquática. “As ações ocorrem em todo o Estado durante este período da piracema, conforme previsto na Portaria nº 155/2023. Intensificamos a atuação com o objetivo de coibir a pesca predatória, o transporte ilegal de pescado, além de outros crimes ambientais relacionados a fauna aquática”, enfatizou.

Pesca profissional

Além da Portaria da Piracema, também está em vigor desde o dia 1° de novembro a Portaria Conjunta nº 04/2023 para pesca profissional. Nela, a modalidade profissional continuará proibida durante e após o período de defeso nos reservatórios da Usina Hidrelétrica Luís Eduardo Magalhães (Usina do Lajeado) nos municípios de Palmas e Porto Nacional; e na Usina Hidrelétrica de Estreito, nos municípios de Babaçulândia, Darcinópolis e Palmeiras do Tocantins, em sua totalidade e de acordo com os limites municipais.

Permissões

A Portaria Conjunta nº 04/2023 traz exceções, com permissões para a pesca nas seguintes condições: a artesanal, por pescadores ribeirinhos; a pesca, captura, venda e/ou estocagem por pescadores artesanais profissionais inscritos no Registro Geral da Atividade Pesqueira; a esportiva, na modalidade “pesque e solte”, com a utilização de anzol sem fisga e porte da carteira de pesca amadora; a pesca, captura, e/ou estocagem de pescado, exclusivamente para consumo no local da pesca, para as modalidades esportiva e amadora, conforme limites mínimo e máximo; a pesca de caráter científico e a oriunda de pisciculturas.

Colônia de pescadores

Equipes da Gerência de Fiscalização têm promovido orientação ambiental em colônias de pescadores. A ação de sensibilização ambiental sobre o período de defeso alcançou mais de mil pescadores nos municípios de Barra do Ouro, Tocantinópolis, Aguiarnópolis, Santa Fé, Xambioá, Araguanã, Palmas – Taquari e Taquaralto – Porto Nacional, Brejinho de Nazaré, Lajeado, Miracema, Pedro Afonso, Palmeirante, Couto Magalhães, Pau D’Arco, Babaçulândia e Filadélfia.

Já nas colônias de pescadores artesanais profissionais dos municípios de Palmas, Porto Nacional, Babaçulândia, Darcinópolis e Palmeiras do Tocantins, o órgão ambiental está presente para realizar cadastro destes profissionais que podem realizar atividade pesqueira, conforme preconiza a portaria. “Durante todo o mês de janeiro e fevereiro estamos realizando cadastro dos pescadores artesanais profissionais. Estamos em Babaçulândia nesta quarta, 24, e já fizemos em Darcinópolis e Palmeiras. Vamos concluir a semana em Filadélfia”, informou o gestor da Fiscalização, Cândido Neto.

Denúncia 

O Naturatins disponibiliza canais de comunicação para denúncia de crime ambiental, com atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, por ligação no 0800 063 11 55, por mensagem pelo Whatsapp (63) 99106-7787, e via internet, no Portal de Serviços do site: to.gov.br/naturatins.

Deixe o seu Comentário

Anúncio
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conecte-se

Deixe uma resposta

Mais Vistos da Semana