Raiza Milhomem

Ainda existem muitas dúvidas sobre como diferenciar os sintomas da Covid-19 e os da dengue – que também é uma doença viral. De acordo com especialistas, é preciso entender quais partes do organismo são atingidas por cada enfermidade.

 

O infectologista da rede de saúde de Palmas, Rafael Albuquerque, explica que a Covid-19 tem predileção pelo aparelho respiratório e digestivo, enquanto a dengue compromete principalmente o sistema vascular. “As duas doenças são virais. O responsável pela Covid-19 é o famoso Sars-CoV-2, e o da dengue integra a família dos Flavivírus. A transmissão desses agentes infecciosos é bem diferente. O vírus da dengue acessa o nosso corpo, por meio de um mosquito Aedes aegypti contaminado. Daí porque ela é considerada uma arbovirose – doença que se espalha através de grupos de insetos”, explica o especialista.

O médico alerta que ambas possuem alguns sintomas em comum como febre, dor ao redor dos olhos, dor muscular, articular e de cabeça, além de enjoo e vômito. “Deve ser observado que a dengue não costuma causar sinais respiratórios como coriza, nariz congestionado ou tosse”, ressalta o médico, lembrando que mesmo quem pegou um, ainda, pode ainda sofrer com o outro, com as reinfecções podendo ser mais perigosas.

Outro aspecto que o especialista chama atenção é que a doença transmitida pelo Aedes aegypti pode gerar manchas vermelhas na pele e sangramentos de mucosas, especialmente nos casos mais graves. “A dengue é uma doença viral que, na maior parte dos casos, traz sintomas como febre, indisposição e dores nos músculos e atrás dos olhos. Entre cinco e sete dias depois, a temperatura e os incômodos vão desaparecendo, mas o cansaço pode persistir”, destaca, lembrando que a medida mais importante a ser adotada para evitar a dengue é a conscientização de todos.

Prevenção

Para evitar a contaminação pelo mosquito da dengue, é necessário controlar a proliferação do Aedes aegypti, em especial eliminando os focos de água parada. Os agentes de combate a endemias com o apoio dos agentes comunitários de saúde estão fazendo visitas domiciliares para orientar as famílias. “Além das orientações sobre os cuidados de higiene e biossegurança para evitar a contaminação com os vírus que causam as duas doenças, as equipes também fazem as vistorias nas residências para eliminar o vetor da dengue. A maior parte da transmissão se dá dentro de casa”, alerta o gerente da Unidade de Vigilância e Controle de Zoonoses de Palmas, Auriman Cavalcante.

Dados

Em Palmas, o número de casos registrados de dengue em 2021 aumentou 43% em relação ao ano passado. E as notificações de casos de Covid-19 têm caído no mesmo período. Até esta data, já foram notificados 2.418 casos de dengue, sendo 1.046 positivos para a doença. Os dados acendem o sinal de alerta para os cuidados na prevenção e cuidados com a dengue, principalmente neste período de maior proliferação do mosquito.

Veja algumas dicas

Tampar caixas d’água

Manter calhas sempre limpas

Deixar garrafas e recipientes com a boca para baixo

Limpar semanalmente ou preencher pratos de vasos de plantas com areia

Tampar as lixeiras

Limpar os ralos e colocar tela

Manter lonas para materiais de construção e piscinas sempre esticadas para não acumular água.

Deixe o seu Comentário